O Auxiliar do Borracheiro!


Click to Download this video!


Chamo-me Juliana, sou casada, 27 anos, branca, 1,75 de altura, pernas grossas, bunda arrebitada, olhos claros e cabelos lisos pretos e moro em Brasília.

Depois da experiência que tive no Piauí (e que experiência!), fiquei mais safada: acredito que o que me ocorreu foi o início de um liberalismo sexual tão forte, porque, durante o retorno à Brasília, fiquei mais imaginativa e sem pudor.

Retornávamos de carro (eu e minha família) do Piauí, quando, em certo ponto do trajeto, paramos para uma refeição. Nesta localidade (Sul do Piauí, já perto da divisa com Bahia), ficamos, mais ou menos, duas horas.

Ao lado do restaurante, um pouco recuada, havia uma borracharia, que, pelo horário, só havia um garoto no local, sentado sobre um pneu. Essa visão só me foi possível porque, do banheiro do restaurante, já bem próximo à porta da borracharia, o curto acesso me proporcionava isso. Então, o que fiz? Fui ao banheiro, discretamente. De lá, observava o dito garoto: magro, moreno, quase da minha altura e parecia jovem, até demais.

Ao sair do banheiro, olhei para a mesa a qual estava minha família e, da posição do restaurante, ficava quase impossível alguém me perceber de lá. Nossa mãe!! Eu tremia, inquieta, quase angustiada... Resolvi ir ao encontro do garoto que, àquela altura da situação, me olhava.
Estava eu de vestido um pouco curto, duas finas alças seguravam-no em meu corpo branco, pleno de tesão, ardente por uma boa foda, por um belo cacete grosso – estava na torcida para que o garoto fosse dono de uma rola apetitosa. Não hesitei.

– Oi... Tudo bem?
– Tudo... – respondeu-me.
– Você é o borracheiro daqui?
– Não! É o seu Raimundo... mas ele foi almoçar...volta daqui a pouco. – disse-me.
– É porque eu estava necessitando de uma informação...

Nesse momento, fui entrando, e o garoto me seguiu. Havia uns pneus velhos a um canto do quartinho pinchado de graxa (era pequena, só havia esse cômodo), e alguns recortes de revistas, já gastos pelo tempo, colados a parede. Tocando levemente em um dos pneus sobre o chão, baixando-me bem, demorei-me com os quadris rebolando devagar, ficando a polpa da minha arrebitada bunda de fora. Segundos após, ao me virar, flagrei o garoto bolinando seu pinto, sobre o short rasgado e sujo. Nossa, aquilo me deu um arrepio imenso. Minha bucetinha sedenta já estava úmida, coberta apenas por uma minúscula calcinha branca, deixando à mostra o seu volume e alguns ralos pelinhos.

O garoto, que nem perguntei o nome, estava em êxtase, coisa de que me aproveitei, levantando o vestido:
– Já viu uma buceta desse tipo, garoto? – perguntei-lhe.
Ele engolia seco, sem palavras, apenas fixava o olhar na minha xoxota inchada.

Chamei-o. Ao se aproximar, mandei que tirasse o pinto, eu queria mamá-lo. Nossa! Não era muito grosso, tal como eu queria, mas era grande: - Ui, garoto... que rola, hein? Quantos anos?
– Dezessete, moça.
Hum...muita punheta nesse picão...

Não agüentei o tesão: comecei a punhetar a rola morena do garoto. Ele ofegava, gemia muito. Já estava bem dura, quando passei a lamber seu saco, a cabeça amarronzada, sentindo um ativo cheiro de pica. Eu mamava gemendo, olhando para o garoto, enquanto ele gemia e se retorcia, segurando-se como podia. Continuava mamando, forte, depois suavemente, e sempre punhetando. Sua respiração aumentava, até que o senti trêmulo: a cabeça do cacete inchou, jorrando muito leite de pica em meu rosto angelical.

– Filho da puta! Melou-me todo o rosto de gala, seu porra...

O cacete não amoleceu, foi o momento em que ele me virou, segurando minha cintura, e, rapidamente, baixando minha calcinha, socou aquele cacetão em minha xoxota, já babada de tesão. Sua vontade de foder era tamanha, que não me dava espaço para acomodar-me naquele canto. Estocava forte. Eu sentia suas bolas baterem em minha traseira sensual, e isso me alucinava: - fode...fode meu safadinho...meu punheteiro...fode essa putinha, vai...safado.

Fodia com ânsia, o garoto, até vir o segundo gozo. Ao percebê-lo, saí de seu aperto, beijando-lhe gostosamente, e punhetando por baixo, até contemplar mais dois jatos de gala, melando meu braço branquinho. O garoto urrava, inclinando-se para frente.

Saí em direção ao banheiro. Logo estava junta aos familiares no restaurante. Perguntaram-me, ainda, onde eu estivera: - Ora... fui ver a paisagem do lugar, depois de ir ao banheiro.

Fato é que, apesar de não haver gozado, sentia o cheiro da rolona do garoto, vez por outra, durante o retorno. Foi gostoso, enfim.

Foto 1 do Conto erotico: O Auxiliar do Borracheiro!


Faca o seu login para poder votar neste conto.


Faca o seu login para poder recomendar esse conto para seus amigos.


Faca o seu login para adicionar esse conto como seu favorito.





Atenção! Faca o seu login para poder comentar este conto.


Contos enviados pelo mesmo autor


529 - A ROLA GRANDE E GROSSA DE MEU PRIMO! - Categoria: Heterosexual - Votos: 211
531 - O Marido de Minha Melhor Amiga - Categoria: Grupal e Orgias - Votos: 123
532 - A Vez de Carla Sentir a Rola G. G. de Meu Primo! - Categoria: Grupal e Orgias - Votos: 128

Ficha do conto

Foto Perfil julianadebsb
julianadebsb

Nome do conto:
O Auxiliar do Borracheiro!

Codigo do conto:
530

Categoria:
Heterosexual

Data da Publicação:
14/12/2009

Quant.de Votos:
85

Quant.de Fotos:
1


Online porn video at mobile phone


conto erótico menina mendiga cusexo gayconto erotico de encesto e de boceta raspasda dormindo junto com ha minha filhafiquei arrombada feito uma egua safadascontos fetiches padrasto mauvadoscontos eroticos aluno da auto escolaconto erotico meu filhoConto eritico de esposa pegando no flagra o marido cravado no cu da melhor amigaconto erotico maria alicecontos e fotos sexo com vovô no pomarsexo gay contos eroticos 220bucetinha da minha filhabolas loiros peludos gayconto erotico consologozando no cu do novinho contos eróticosporno quadrinhosconto eroticos cheguei em casa com o cu cheio de porrae arrombadoMendinga fudendo na borracharia searchconto erotico gay o afeminado timidominha esposa numa dupla penetração contocaiu+na+netContos eroticos negao hiper dotados com coroasconto erotico virei uma linda mulherconto erótico evangélicas gostosasinaugurando a ninfeta contos droticoscontos eroticos lesbícocontos eroticos gay meu machoinbilino pornoporno estupro, pedreiros rasgam calcinha e meteu a lingua no fundo da bucetaContos eroticos incesto apos a lua de meldp gostosa cm negao. conto erot.virei mulher no carnaval contoultimos contos sadomeu capataz fudeu minha esposa e encheu a buceta dela de porracontos masturbei minha amig na sala de aulacomi uma menina de 12 conto eroticoxramster fode caralho me arrombaConto erotico de Recife com videoContos de incestos de mães gordinhas com seus fiho fotos delas peladasasisti video porno loira buceta vermelinhaconto gay papai e vovôtirando o atraso com a sobrinha de minha mulher contosanal quadrinhoContos trai com meus funcionariosconto de uma putaconto erotico o triste fim de jessicafotos de sexo com jaquelineconto erotic genicologistaquadrinho porno gayincesto excitante contos eroticoscontos eroticos meu namorado roludo comeu eu e minha filha nao sei como ela aguentouNoitadas gays - contos eróticosContos eroticois eu meu padrastroce1 15 a/gande viagemxvidio rascanto o cucontos ensinando minha sobrinha dirigir acabei comendo a gostosacunhada toda sertinha mas nao aguentou ver o pal duro do cunhado e pede pra xupaHQ porno justinQuadrinhos porno a semama do saco cheiocontos com fotos anal psi pirocudo e filhacontos eroticos gay dormindo hentaycontos eroticos de rabudas sendo arrombadasGugamrapbuceta da mae com fotos contoscontos dopou irmã fuder guadrinhoContos eróticos de tio e subrinhabieljr cornocontos eróticos gay com montadocontos eróticos de brigas e reconciliaçãocontos eróticos,meu patrão fudeu minha mulher e fez ela dar para um clientecontoeroticoirmãos