O Auxiliar do Borracheiro!

Click to this video!


Chamo-me Juliana, sou casada, 27 anos, branca, 1,75 de altura, pernas grossas, bunda arrebitada, olhos claros e cabelos lisos pretos e moro em Brasília.

Depois da experiência que tive no Piauí (e que experiência!), fiquei mais safada: acredito que o que me ocorreu foi o início de um liberalismo sexual tão forte, porque, durante o retorno à Brasília, fiquei mais imaginativa e sem pudor.

Retornávamos de carro (eu e minha família) do Piauí, quando, em certo ponto do trajeto, paramos para uma refeição. Nesta localidade (Sul do Piauí, já perto da divisa com Bahia), ficamos, mais ou menos, duas horas.

Ao lado do restaurante, um pouco recuada, havia uma borracharia, que, pelo horário, só havia um garoto no local, sentado sobre um pneu. Essa visão só me foi possível porque, do banheiro do restaurante, já bem próximo à porta da borracharia, o curto acesso me proporcionava isso. Então, o que fiz? Fui ao banheiro, discretamente. De lá, observava o dito garoto: magro, moreno, quase da minha altura e parecia jovem, até demais.

Ao sair do banheiro, olhei para a mesa a qual estava minha família e, da posição do restaurante, ficava quase impossível alguém me perceber de lá. Nossa mãe!! Eu tremia, inquieta, quase angustiada... Resolvi ir ao encontro do garoto que, àquela altura da situação, me olhava.
Estava eu de vestido um pouco curto, duas finas alças seguravam-no em meu corpo branco, pleno de tesão, ardente por uma boa foda, por um belo cacete grosso – estava na torcida para que o garoto fosse dono de uma rola apetitosa. Não hesitei.

– Oi... Tudo bem?
– Tudo... – respondeu-me.
– Você é o borracheiro daqui?
– Não! É o seu Raimundo... mas ele foi almoçar...volta daqui a pouco. – disse-me.
– É porque eu estava necessitando de uma informação...

Nesse momento, fui entrando, e o garoto me seguiu. Havia uns pneus velhos a um canto do quartinho pinchado de graxa (era pequena, só havia esse cômodo), e alguns recortes de revistas, já gastos pelo tempo, colados a parede. Tocando levemente em um dos pneus sobre o chão, baixando-me bem, demorei-me com os quadris rebolando devagar, ficando a polpa da minha arrebitada bunda de fora. Segundos após, ao me virar, flagrei o garoto bolinando seu pinto, sobre o short rasgado e sujo. Nossa, aquilo me deu um arrepio imenso. Minha bucetinha sedenta já estava úmida, coberta apenas por uma minúscula calcinha branca, deixando à mostra o seu volume e alguns ralos pelinhos.

O garoto, que nem perguntei o nome, estava em êxtase, coisa de que me aproveitei, levantando o vestido:
– Já viu uma buceta desse tipo, garoto? – perguntei-lhe.
Ele engolia seco, sem palavras, apenas fixava o olhar na minha xoxota inchada.

Chamei-o. Ao se aproximar, mandei que tirasse o pinto, eu queria mamá-lo. Nossa! Não era muito grosso, tal como eu queria, mas era grande: - Ui, garoto... que rola, hein? Quantos anos?
– Dezessete, moça.
Hum...muita punheta nesse picão...

Não agüentei o tesão: comecei a punhetar a rola morena do garoto. Ele ofegava, gemia muito. Já estava bem dura, quando passei a lamber seu saco, a cabeça amarronzada, sentindo um ativo cheiro de pica. Eu mamava gemendo, olhando para o garoto, enquanto ele gemia e se retorcia, segurando-se como podia. Continuava mamando, forte, depois suavemente, e sempre punhetando. Sua respiração aumentava, até que o senti trêmulo: a cabeça do cacete inchou, jorrando muito leite de pica em meu rosto angelical.

– Filho da puta! Melou-me todo o rosto de gala, seu porra...

O cacete não amoleceu, foi o momento em que ele me virou, segurando minha cintura, e, rapidamente, baixando minha calcinha, socou aquele cacetão em minha xoxota, já babada de tesão. Sua vontade de foder era tamanha, que não me dava espaço para acomodar-me naquele canto. Estocava forte. Eu sentia suas bolas baterem em minha traseira sensual, e isso me alucinava: - fode...fode meu safadinho...meu punheteiro...fode essa putinha, vai...safado.

Fodia com ânsia, o garoto, até vir o segundo gozo. Ao percebê-lo, saí de seu aperto, beijando-lhe gostosamente, e punhetando por baixo, até contemplar mais dois jatos de gala, melando meu braço branquinho. O garoto urrava, inclinando-se para frente.

Saí em direção ao banheiro. Logo estava junta aos familiares no restaurante. Perguntaram-me, ainda, onde eu estivera: - Ora... fui ver a paisagem do lugar, depois de ir ao banheiro.

Fato é que, apesar de não haver gozado, sentia o cheiro da rolona do garoto, vez por outra, durante o retorno. Foi gostoso, enfim.

Foto 1 do Conto erotico: O Auxiliar do Borracheiro!


Faca o seu login para poder votar neste conto.


Faca o seu login para poder recomendar esse conto para seus amigos.


Faca o seu login para adicionar esse conto como seu favorito.





Atenção! Faca o seu login para poder comentar este conto.


Contos enviados pelo mesmo autor


529 - A ROLA GRANDE E GROSSA DE MEU PRIMO! - Categoria: Heterosexual - Votos: 205
531 - O Marido de Minha Melhor Amiga - Categoria: Grupal e Orgias - Votos: 119
532 - A Vez de Carla Sentir a Rola G. G. de Meu Primo! - Categoria: Grupal e Orgias - Votos: 125

Ficha do conto

Foto Perfil julianadebsb
julianadebsb

Nome do conto:
O Auxiliar do Borracheiro!

Codigo do conto:
530

Categoria:
Heterosexual

Data da Publicação:
14/12/2009

Quant.de Votos:
83

Quant.de Fotos:
1


Online porn video at mobile phone


contos eroticos sendo posuida por um novinhoViadinho de calcimhaCOMENDO O CU DO NOVINHO GOSTOSOluizacastro22@yahoo.com.br sedutoras e marrentas parte dozeconto erótico leite quenteconto erotico transex virgindadecontos gay calcinha irma inversaoporno as brasileira casada da o cu apedadiho pro amatesexo:fotolesbicascontoincesto excitante contos eroticosarrombada com ajuda da mamaeconto porn erodocos quadrinho cunhadastroca de esposas no sitio do vizinho contos eroticos com fotos de sexoursao gay de rola dura fotoconto herotico homen crossdresservideos comi o priquito da mae aforca e gozei dentroQuadrinho eroticos estupro emocionante 1Conto erotico homem com ninfetinhacontos eróticos enganando A sobrinha novinhaMarcia coroa buceta cu santa cruz do sul rsporno contos puta dominantecontos eroticos garoto gay dando o cuzinho virgem brincando de esconde escondemenina. motara.abucetaContos eroticos sexo scat cornosperdi as preguinhas do cu quando era pequenaconto erotico novinha arrombada por coroascontoeroticodfcontos casada e a vizinha dando e tomando porramozto.ru gay fotosalam.sxy.videoconto porno barbarizaram comigoxvideos Quadrinho Horny 1contos eroticos desejos de chuparquadrinho xxx do diabocoto historia erotismo novinhataradapor srnhor de indefecontos eróticos de gay comi a bunda do meu professorcontos eroticos me comeraoo no onibus quando eubera novinhaconto erotico suruba em familiameu padrinho me comeiconto erotico provoquei o marido da minha primaseiren porno a filha gostosa da empregadaconto erotico tomando banho com minha maefodendo novinha gostosaContos eroticos no onibusNa frente do marido corno na balada conto EroticoContos erotico fantasia amei duas pica dentro demim meu marido e o amigoconto erotico desabafo de gaycomic porno esposa infiel sesion fotograficamaegravidafilhocontocontos eroticos caseiros no quintal de madrugada com a vizinhaksdosafadotraicoesquadrinhoscontos eroticos gay de dando uma mamada no moleque moreninho claroContoeroticosacanagemfamiliasamira conto eroticoConto porno virgem deflorada por traficante pauzudo da favelanovinha fode com amigos no riacinhoconto erotico amiga novinha bebadacontos porno incesto lucia e marinacasada fui trai com meu patrão e acabei arrombada contos eroticosسکسی سکس کارتونیmaes e filhos fidendo adoidadoconto erotic genicologistaConto erotico - Estuprei a empregada da minha mãecontos eróticos novinho roludo judiou de mim fui penetrada por um jumento num hotel, traição. conto eróticocontos gay gostoso do tinder ele:contos/como rebentaram meu cufAmiliA favela porno contAs prA pAgar parte 2contos eroticos gay meu vizinho negro de dezesseis anos me enrabou quando eu tinha oito anoszoofiliacantoconto erotico prima dando para o primocontos porno saga crepúsculomeu pai veio mevizitar e dei pra ele contoConto erotico caminhoneiraContos eroticos mulher chorando no pau do filho roludo que come sem do a buceta da sua mae e da sua irma e sua amiga virgem