DE VOLTA À PIZZARIA - Capítulo 33


Click to this video!


DE VOLTA À PIZZARIA

CAPÍTULO 33

ATENÇÃO

ESSE É O TRIGÉSIMO TERCEIRO CAPÍTULO DA FASE 2 DA SÉRIE “A PIZZARIA” . ANTES DE PROSSEGUIR COM A LEITURA, LEIA, NESTE MESMO SITE, A FASE 1 DA SÉRIE ORIGINAL (A PIZZARIA), DO MESMO AUTOR. OBRIGADO.


DE VOLTA À PIZZARIA
CAPÍTULO 33


No domingo pela manhã, quando a Ticiane e a Denise retornaram da casa da Dona Cida, e eu lhes dei a aceitação da Vera, para aquilo que poderia ser, na minha exclusiva fantasia, o terceiro “casamento”, e para ambas, a liberdade do seu relacionamento, elas não cabiam em si de contentamento.
Então, comovida, Ticiane beijou-me o rosto dizendo:

—Obrigada, tio.

—Você é o melhor homem do mundo.
Porém, em tom de brincadeira, eu lhe disse:

—Breve, você não poderá mais chamar-me de tio, Ticiane.

—Ah não, é? Devo te chamar do que então?

—Você deverá chamar-me de marido.
Rindo, ela comentou:

—Mas, ainda não nos “casamos” de verdade.

—Mas, se, e quando acontecer, eu lhe chamarei do que você desejar.
Novamente em tom jovial, eu lhe cobrei:

—E, quando formos a Belo Horizonte, Tati, vou querer passear de mãos dadas com você no shopping.
Feliz, ela respondeu-me:

—Não se preocupe. Comigo você terá tudo que um bom marido possa merecer.
Ao escutar a nossa conversa, ranzinza, Denise repreendeu-me:

—Pare com essas criancices, Edu.

—Você já tá enchendo o saco com esse assunto de casamentos!
E, olhando para a Ticiane, também a censurou dizendo-lhe:

—E você ainda fica dando corda pra esse idiota!
Em seguida, cobrou-a:

—Você já falou pra ele sobre a compra, Tici?
Então, a menina me disse:

—Amanhã cedo a tia Denise quer que você vá à loja comprar o sofá cama pro nosso quarto.

E assim o fiz. Como a loja da nossa cidade não dispunha do sofá que elas desejavam, trouxeram-no do estoque de uma das suas filiais, e na quinta feira as duas já o estrearam. Porém, assustei-me com o preço, e lastimei para comigo mesmo:

—Ainda nem me casei, e já estou tendo despesa!
Depois, deixando as minhas “criancices” de lado, das quais a Denise sempre reclama, e pensando mais seriamente, fiquei preocupado no que diz respeito ao nosso cotidiano, quando os filhos aqui viessem passar suas férias escolares. Certamente, nos finais de semana, a Ticiane teria que ficar com a sua irmã, na cidade vizinha, até porque nem teríamos como hospedá-la em casa. Porém, quanto à Vera, devido ao seu trabalho no banco, ela teria que continuar conosco, de segunda a sexta feira.

Assim, nessas ocasiões, inevitavelmente, teríamos que colocar o novo sofá cama na sala, para a princesa dos olhos claros nele dormir durante a semana, ou então eu poderia deixar as duas irmãs no nosso quarto, e ir sozinho para o sofá.

Achei meio esdrúxula essa situação pelo fato de, até lá, já possuir três mulheres e ser obrigado a dormir sozinho num sofá, longe de todas. Mas, certamente, daríamos um jeito nisso. Agora não seria o momento apropriado, para pensarmos em problemas futuros.

Até então, eu ainda não havia consumado o “casamento” com a Ticiane, mas, combinamos os quatro de voltarmos novamente ao nosso “clube” particular, isto é, à casa da Dona Cida. E, eu estava certo de que lá seria o local ideal para aquilo acontecer, pois, a situação de a Vera gostar dos seus aperitivos e se embebedar, aliada ao fato de a Denise sentir prazer em ficar nua ou seminua, para provocar a libido da virgem, viria a calhar. Certamente, naquela casa, o caminho estaria aberto para o que eu planejava.

Às vezes, quando eu pensava nessa possibilidade —de estar pela primeira vez com a Ticiane — o nervosismo tomava me conta, parecendo até repetir a mesma situação do passado, da minha primeira noite com a Denise, pois, como dizem, tirar cabaço é sempre complicado.

Curiosamente, a Ticiane que deveria estar nervosa e com receio pelo fato de estar prestes a perder virgindade, sem ao menos sentir atração pelo sexo oposto, mantinha-se serena, como se nada estivesse por acontecer.

Nessa altura dos acontecimentos, devido à minha ansiedade e preocupação, meu maior receio seria falhar com a menina. E, essa possibilidade apavorava-me a tal ponto que, ao invés de tentar aproximação e conseguir mais liberdade com a jovem, para estarmos mais íntimos quando chegasse a boa hora, sem me dar conta, eu a estava evitando.

Por outro lado, a quietude da Vera, me intrigava. Eu tentava imaginar o que se lhe passava nos pensamentos, pois ela já não dava mais aqueles claros sinais acerca da sua aprovação inicial para os acontecimentos que estavam por vir.
Notando-me estranho, Denise veio conversar comigo:

—O que está acontecendo, Edu?

—Porque você me pergunta isso, Denise?

—Ora, parece que você está evitando a Tici.

—Tá pensando em desistir, cara?
E, zombando, ainda perguntou-me:

—Tá achando o preço muito alto?

Nessa hora, eu pensei em disfarçar o meu nervosismo e mentir à Denise que tudo estaria tranquilo, e que eu só estava ansioso pela chegada do momento.

Mas, resolvi dizer-lhe a verdade, isto é, falei sobre a minha apreensão pelo fato de se tratar da primeira vez da virgem, justamente com um homem maduro, com idade para ser o seu pai. Tudo isso, sem contar que ela não sentia atração pelo sexo masculino. Como dizem, parecia não rolar química.
Então, Denise me alertou sobre alguns detalhes importantes:

—Ora, Edu. A sua idade pra ela é irrelevante, e eu acho que até vai lhe ajudar.

—Vai me ajudar porque, Denise?

—Ah, Edu! Pra ela tanto faz ser velho ou novinho, porque a fruta que ela gosta é outra.
E, explicou-me melhor:

—Ou seja: ela não acha homem nenhum interessante, Edu. E não tá nem aí pra você, entende?

—E, certamente, ela tem receio de dar pra um novinho, e depois ele sair contando pra todo mundo, e se vangloriando com os colegas.

—A Tici não tá a fim de ser troféu de nenhum macho, Edu.
Depois, ainda me alfinetou:

—E mesmo você com essas criancices todas, que nós já conhecemos, temos certeza que nessa hora você tratará a situação como séria, e respeitosa.

—Até porque, está careca de saber que ela só quer você como reprodutor. Mais nada!
Irônica, Denise ainda me disse:

—Aliás, corno e reprodutor hein, seu Edu!
Após, tentou agradar-me dizendo:

—Mas, se você souber aproveitar, vai pegar carne boa, Edu.

—Carne nova e fresca!

—E aposto que você nunca imaginou que fosse comer a novinha né cachorro?

—Ou você não quer isso, seu bobo?

—Claro, Denise. Imagina que não vou querer! Exclamei.
E, depois, a provoquei:

—Mas você já está aproveitando dela antes de mim, né safada?

—Ela fode gostoso, Denise?
Dando-me corda, Denise respondeu-me:

—Humm... a franguinha é um tesão, Edu.

—Nunca ninguém me chupou a xana como ela, acredita?

—Sim, Denise. Mas você também deve ter chupado ela inteirinha né?

—Claro, Edu. A xaninha rosada dela me deixa doida.

—Sem contar os seios durinhos: tudo de bom!

—E ela me deixou doida quando lambeu o meu cu, com você me comendo, Edu!

—Putz, Denise! Eu jamais iria imaginar que ela fosse fazer isso! Exclamei.

—Não entendi, Edu. O que você não imaginava que ela fizesse?

—Ah Denise. Aquilo lá na piscina: ela lamber o seu cuzinho enquanto eu te fodia pela frente amor!
Denise respondeu-me:

—Ela faz tudo o que eu quiser, Edu. É doida pela minha buceta!

—Ela é tímida só no começo. Depois solta a franga.

—Sem contar que nunca mulher alguma me fez gozar como ela fez, Edu!

—E como ela beija gostoso. Nossa!

Se eu lhe desse mais atenção, certamente, a Denise iria passar o dia todo tecendo elogios à performance da menina na cama. Mas, fiquei surpreso em ouvir os seus comentários, não pelo fato de ela discorrer acerca dos encontros com a novinha, pois ela sempre me falava das suas transas com outros. A surpresa se dava pelo fato de que ela evitava detalhar os seus casos com mulher, mas, tratando-se da Ticiane, agora o fazia com desenvoltura e extroversão.

Então, combinamos de voltar os quatro à casa da Dona Cida. Porém, ao invés de irmos sexta feira à tarde, como das duas vezes passadas, iríamos no sábado, pela manhã.

E, como sempre, Denise marcou previamente com a Silvana para que ela tirasse outra folga no final de semana. E, assim, novamente, teríamos a casa só para nós, além da Dona Cida, claro.

Entretanto, no dia marcado, isto é, sábado, por volta das 08:15hrs, Denise foi despertada por mais um telefonema do hospital requisitando-a para instrumentar nova cirurgia de emergência. Antes de ela ir, nos explicou que a enfermeira e instrumentadora, Fátima, estava em gozo de suas férias, e que ela, Denise, seria a sua substituta imediata. Daí a razão de tantos chamados fora de hora ou dia certo.
Mas, o lado vantajoso dessas substituições, é que poderia tirar folgas compensatórias pelo dia todo, mesmo trabalhando poucas horas nas cirurgias.

Porém, como estava previamente acertado com a Silvana que chegaríamos pela manhã, para que ela gozasse a sua folga, decidimos que a Vera ficaria sozinha com a Dona Cida, e que eu e a Ticiane esperaríamos na nossa casa o retorno da Denise, após o término da cirurgia. Depois, iríamos os três nos encontrarmos com a Vera, na residência da idosa.

E, assim o fizemos. Deixamos a Ticiane dormindo no sofá do quarto dos meninos, onde passara a noite com a Denise, e saímos os três no nosso carro. Primeiro, eu deixei a minha mulher no hospital e, após, segui com a cunhada em direção à casa da Dona Cida. Fomos os dois em silêncio, e apreensivos com o que estaria por acontecer, devido à repentina mudança nos planos, qual seja, a Denise ir para o hospital, e a Vera ter que ficar com a Dona Cida.
Obviamente, agora, a Ticiane estava sozinha na nossa casa, e eu estava indo para lá.

Faltando duas quadras para chegarmos à residência da Dona Cida, eu e a Vera demos nossas mãos no carro. Quando ela foi descer, não quis me beijar, e já pressentindo o que estava prestes a acontecer, apenas recomendou-me:

—Seja carinhoso com ela, Edu.

—Ela é muito sensível!
Em seguida, saiu do automóvel, tocou a campainha próxima ao portão, e eu parti.

Quando entrei em casa, Ticiane já havia acordado e estava na cozinha esquentando água para fazer café. Ao ver-me chegar sozinho, estranhando, perguntou-me pela Denise e a sua mãe.

Então, eu lhe expliquei acerca da chamada de emergência para a Denise, vinda do hospital, e que a sua mãe tivera que ficar com a Dona Cida, em virtude da folga da Silvana.
Desconfiada, ela falou-me:

—Isso tá com jeito de armação!
Eu lhe perguntei:

—Porque armação, Tici?
Novamente ressabiada, ela respondeu-me:

—Tá muito estranho as duas sumirem e me deixarem sozinha com você, logo hoje, tio.

—Mas, pode acreditar que é verdade, Ticiane. Sua mãe não iria querer o seu mal.
Depois, sem rodeios, eu lhe pedi:

—Desligue o fogão, e vamos lá no meu quarto, Tici.
Prevendo o que estava prestes a acontecer, ela respondeu-me:

—Na cama que a mamãe dorme, eu não quero fazer isso, tio.

—Então vamos no quarto de vocês. Sugeri.
Ela refutou dizendo-me:

—Mas tá dia claro, tio.

—Eu queria fazer no escuro.

—Assim eu tenho vergonha!
Eu argumentei:

—Mas eu já te vi pelada, Ticiane.

—E nós dois já fodemos juntos a Denise.

— Você também me viu pelado algumas vezes.
Ela respondeu-me dizendo:

—Mas sozinha com você eu ainda tenho medo, tio.

—E a tia havia me prometido que estaria ao meu lado, quando isso fosse acontecer.
Daí, eu lhe sugeri:

—Você poderá ficar nua no sofá, e cobrir-se com um lençol, entende?

—Daí fazemos cobertos, e eu não vejo você sem roupa novamente.
Ela relutou:

—Mas eu não preciso ficar pelada pra fazermos isso, tio.

—Como não, Ticiane. Claro que sim!
Daí ela explicou-me:

—Eu vou tirar o short e a calcinha, mas vou ficar de blusa e soutien.

—E não quero ser beijada, e nem que você coloque a mão nos meu seios novamente.
Eu argumentei:

—Mas, eu nem teria como fazer isso, Ticiane —por a mão nos teus seios— pois você estará usando blusa e soutien!
Finalmente, ela concordou dizendo-me:

—Tá bom, tio.

—Mas não precisa fazer com pressa, pra você não me machucar.
E, pediu-me:

—Agora fique quieto aí, que eu vou lá no quarto, arrumar o sofá e o lençol.

—Quando eu te chamar, você pode vir, pois eu estarei pronta!
Os minutos que se passaram após ela entrar e cerrar a porta do quarto, pareciam eternos. Porém, no meu íntimo, eu não desejava que ela me chamasse, pois, infelizmente, não estava psicologicamente preparado para tanto, e o fracasso parecia bater à minha janela.
Eu gelei quando a ouvi gritando:

—Pode vir, tio.

—Estou pronta!
Infelizmente, por eu não ter conseguido a ereção, com vergonha, entrei no quarto sem camisa, mas ainda vestindo a mesma calça que eu fora na rua levar as duas.
Coberta pelo lençol, a esperar-me no sofá, ao ver-me assim, estranhando, perguntou-me:

—Uai! Você não vai tirar a roupa, tio?

—Não vá dizer que agora foi você quem ficou com vergonha de mim!
Então, contei-lhe a verdade:

—Não sei o que está acontecendo, mas estou com vergonha sim, Tici.
E, lhe pedi:

—Feche os olhos, Tici, que eu vou me despir e entro aí embaixo com você!
Ela obedeceu-me, e virou o seu rosto para o lado. Então, rapidamente me livrei da calça e da cueca e, de pau mole, entrei embaixo do lençol para ficar ao seu lado.
Sem a espiar, mas, pelo tato, percebi que ela já estava nua da cintura para baixo e, ao sentir-me alisando suas coxas, próximo à bucetinha, ela pediu-me:

—Porque você não vem logo, tio?
Sem ereção, tive que lhe revelar:

—O titio está nervoso, Tati.

—Pega no meu pau um pouquinho, senão não iremos conseguir.
Ela disse-me:

—Hum, já sei! Pinto mole não entra né, tio?
E, apressou-me:

—Mas, tente fazer ele endurecer rápido, pra terminarmos logo.
Daí, reclamei com ela:

—Pare de ficar falando isso, Tici –pra endurecer logo –

—Senão eu vou ficar ainda mais nervoso, e não vou conseguir mesmo.
Ela respondeu-me:

—Desculpe, tio.

—Relaxa e não pense mais nisso!
Em seguida, sem que eu lhe fizesse um segundo pedido, ela segurou me o pau completamente flácido. Nessa hora, ficamos de ladinho, e ao sentir sua mãozinha macia no cacete, acariciei lhe a bunda nua, e a ouvi dizer:
—Está crescendo, tio!

—Vai rápido agora, que você consegue.
Então, tive que lhe pedir novamente:

—Não fale nada, Tici, senão você irá tirar a minha concentração, e daí eu não vou conseguir de vez!

—Feche os olhos, e não diga nada, Tici. Vamos só curtir o momento.
Ela obedeceu-me, dizendo:

—Tá bom, tio. Fica tranquilo.
Ao sentir-me crescer rapidamente em sua mão, sem que eu lhe pedisse, Ticiane abriu as pernas e pela primeira vez, meu dedo alisou a sua grutinha virgem. Nessa, hora, ouvi-a suspirando:

—Aiiii tio.
E pediu-me:

—Mexe no grelinho!

Acariciando lhe o clitóris, fiquei doido de tesão ao percebê-lo novamente teso, igual da vez em que a chupei no banheiro do hotel. Pena ele não ser avantajado, como o da Alessandra. Lastimei.

Intuitivamente, começamos a nos masturbar um ao outro, até que eu tive que lhe pedir para pararmos, porque eu já estava prestes a gozar. Então, decidi quebrar uma das nossas regras, e a descobri do lençol. Quando eu vi a sua bucetinha rosada, e ela deitada com os braços e pernas abertas, não perdi mais tempo e fui por cima dela, na posição papai e mamãe.
Ao sentir-me a cabeça do cacete na entrada da vulva, ela pediu-me:

—Põe com cuidado, tio.
Entretanto, passado um tempo, por mais que eu me esforçasse, talvez devido à grossura do membro, não a conseguia penetrar.
Eu só a ouvi exclamando:

—O que está acontecendo? Você está molhado de suor! Meu Deus!

Só aí me dei conta que estava mesmo ensopado, e o meu suor caía em pequenas gotas no lençol, molhando-o significativamente. Entretanto, por mais que eu tentasse, não entrava.
Daí, tive que lhe pedir:

—Assim não iremos conseguir, Tici.

—Fique sentada na beiradinha do sofá, que eu vou me ajoelhar no chão.
Então, ela me obedeceu, e sentada com a enorme bunda na ponta do sofá, eu ajoelhei-me frente a ela, e lhe pedi:

—Agora abra bem as pernas, Tici.
Assim ela o fez, e quando eu cheguei a cabeça da vara tesa na entrada da gruta, notei que ela estremecera o corpo, mas nada me disse.

E agora, perfeitamente posicionado, dei lhe um forte empurrão, e só a ouvi gritar:

—AIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII

—AIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII

—TIRA, TIRA! TÁ ARDENDO!

—AIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII

—PUTA QUE PARIU! QUE DOR FODIDA!
Após seguidas e fortes bombeadas com o pau entrando quase todo, sem me importar com os seus gritos de dor, dei lhe uma última socada e, agora sim, o meu cacete invadiu lhe ex-bucetinha virgem, e eu a inundei de porra, ouvindo o seu grito final:

—AAAAAAAIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII

—PUTA QUE PARIU! O QUE EU FUI FAZER, CARALHO!!!
Após eu sair de dentro de si, ela permaneceu sentada na beirada do sofá cama, e então eu vislumbrei escorrer da sua gruta enorme quantidade de sangue que, misturada ao esperma, manchava grande parte do lençol.
Fiquei estarrecido quando olhei para o meu pau e, igualmente, o vi todo ensanguentado, com ela reclamando:

—Doeu pra caralho, tio!
E vendo o meu pau todo avermelhado, falou-me:

—Você machucou nós dois!
Eu tentei lhe acalmar, dizendo-lhe:

—Fique calma, Tici.

—A primeira vez é assim mesmo. E não estamos machucados!
Ela continuou reclamando:

—Nem sei se teremos a segunda vez.

—Parece que agora tá ardendo mais ainda!
Então, tive que ajudá-la a sair da cama. E por ela estar caminhando com dificuldade, a levei ao banheiro para se limpar. Aproveitei, e também removi o sangue que havia coagulado, no corpo do meu cacete.

Após ela fazer a sua higiene, lhe ajudei a voltar ao quarto, amparando-a nos seus passos. Então, dizendo-me que queria ficar sozinha, pediu-me que retirasse, e eu voltei para o meu quarto.
Depois, já deitado sozinho na cama, censurei a mim próprio, dizendo-me:

—É, Edu! Por pouco, aliás, por muito pouco, você teria dado a broxada do século.

—E, se a menina não fosse calma, e não tivesse lhe ajudado, você já era!
Enfim, consolado pelo final feliz que, por sorte, vencera o meu enorme fracasso inicial, apesar dos pesares, embora rápida e atípica, avaliei a transa como produtiva. Afinal, um cabaço é sempre um cabaço! Filosofei.

Agora, só restava-me esperar pelo retorno da Denise, para ver o que faríamos logo mais. Porém, descabaçada que estava, eu tinha plena ciência de que a menina passaria o dia de molho na cama.

Continua no próximo capítulo.


Faca o seu login para poder votar neste conto.


Faca o seu login para poder recomendar esse conto para seus amigos.


Faca o seu login para adicionar esse conto como seu favorito.


Comentários


foto perfil usuario bianor

bianor Comentou em 05/04/2018

Boa noite;bjus na piriquitá da Vera Denise e tbm na da Tici, gostei muito de vc ter aceitado tirar o cabaço dela mais ficou nervoso pior que um adolescente em sua primeira vez, se tivesse esperado pela Denise teria sido melhor pois ia rolar muita sacanagem e quem sabe ela até chuparia vc abrço e ate o próximo conto.

foto perfil usuario wesperto

wesperto Comentou em 05/04/2018

Muito bom.

foto perfil usuario voyspmen

voyspmen Comentou em 03/04/2018

adorei, parabéns

foto perfil usuario ciumens

ciumens Comentou em 03/04/2018

Muito excitante..




Atenção! Faca o seu login para poder comentar este conto.


Contos enviados pelo mesmo autor


102436 - A Pizzaria - Categoria: Traição/Corno - Votos: 41
102741 - A PIZZARIA - Parte 2 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 22
102967 - A PIZZARIA - Parte 3 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 20
103097 - A PIZZARIA - Parte 4 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 21
103310 - A PIZZARIA - Parte 5 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 23
103692 - A PIZZARIA - Parte SEIS - 6 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 21
103838 - A PIZZARIA - Parte 7 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 17
103929 - A PIZZARIA - Parte 8 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 19
104108 - A PIZZARIA - Parte 9 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 17
104242 - A PIZZARIA - Parte 10 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 24
104409 - A PIZZARIA - Parte 11 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 16
104536 - A PIZZARIA - Parte 12 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 18
104738 - A PIZZARIA - Parte 13 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 20
104883 - A PIZZARIA - Parte 14 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 31
105022 - A PIZZARIA - Parte 15 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 26
105175 - A PIZZARIA - Parte 16 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 25
105302 - A PIZZARIA - 17 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 19
105367 - A PIZZARIA 18 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 22
105481 - A PIZZARIA Parte 19 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 24
105578 - A PIZZARIA 20 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 20
105645 - A PIZZARIA 21 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 27
105735 - A PIZZARIA 22 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 27
105816 - A PIZZARIA 23 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 23
105907 - A PIZZARIA 24 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 18
106077 - A PIZZARIA 25 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 23
106238 - A PIZZARIA 26 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 21
106542 - A PIZZARIA 27 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 30
106671 - A PIZZARIA 28 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 25
106836 - A PIZZARIA 29 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 28
107037 - A PIZZARIA 30 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 31
107223 - A PIZZARIA 31 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 25
107420 - A PIZZARIA 32 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 25
107586 - A PIZZARIA 33 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 25
107745 - A PIZZARIA 34 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 24
107928 - A Pizzaria 35 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 23
108185 - A PIZZARIA 36 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 24
108354 - A PIZZARIA 37 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 18
108441 - A PIZZARIA 38 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 21
108511 - A PIZZARIA 39 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 21
108715 - A PIZZARIA 40 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 25
108827 - A PIZZARIA 41 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 25
109020 - A PIZZARIA - ÚLTIMO CAPÍTULO. - Categoria: Traição/Corno - Votos: 21
110602 - O BAILE DE FORMATURA - Categoria: Traição/Corno - Votos: 15
111900 - DE VOLTA À PIZZARIA - Capítulo 1 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 19
112006 - DE VOLTA À PIZZARIA - Capítulo 2 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 17
112104 - DE VOLTA À PIZZARIA - Capítulo 3 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 15
112270 - DE VOLTA À PIZZARIA - Capítulo 4 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 16
112392 - DE VOLTA À PIZZARIA - Capítulo 5 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 18
112552 - DE VOLTA À PIZZARIA - Capítulo 6 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 16
112682 - DE VOLTA À PIZZARIA - Capítulo 7 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 14
112824 - DE VOLTA À PIZZARIA - Capítulo 8 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 16
112954 - DE VOLTA À PIZZARIA - Capítulo 9 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 18
113035 - DE VOLTA À PIZZARIA - Capítulo 10 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 20
113173 - DE VOLTA À PIZZARIA - Capítulo 11 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 20
113269 - DE VOLTA À PIZZARIA - Capítulo 12 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 20
113368 - DE VOLTA À PIZZARIA - Capítulo 13 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 22
113458 - DE VOLTA À PIZZARIA - Capítulo 14 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 20
113615 - DE VOLTA À PIZZARIA - Capítulo 15 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 18
113733 - DE VOLTA À PIZZARIA - Capítulo 16 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 19
113824 - DE VOLTA À PIZZARIA - Capítulo 17 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 18
113965 - DE VOLTA À PIZZARIA - Capítulo 18 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 14
114155 - DE VOLTA À PIZZARIA - Capítulo 19 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 18
114210 - DE VOLTA À PIZZARIA - Capítulo 20 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 17
114230 - DE VOLTA À PIZZARIA - Capítulo 21 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 15
114283 - DE VOLTA À PIZZARIA - Capítulo 22 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 20
114358 - DE VOLTA À PIZZARIA - Capítulo 23 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 18
114447 - DE VOLTA À PIZZARIA - Capítulo 24 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 18
114521 - DE VOLTA À PIZZARIA - Capítulo 25 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 15
114573 - DE VOLTA À PIZZARIA - Capítulo 26 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 16
114667 - DE VOLTA À PIZZARIA - Capítulo 27 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 17
114776 - DE VOLTA À PIZZARIA - Capítulo 28 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 14
114892 - DE VOLTA À PIZZARIA - Capítulo 29 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 11
115007 - DE VOLTA À PIZZARIA - Capítulo 30 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 14
115118 - DE VOLTA À PIZZARIA - Capítulo 31 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 10
115161 - DE VOLTA À PIZZARIA - Capítulo 32 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 13
115405 - DE VOLTA À PIZZARIA - Capítulo 34 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 11
115502 - DE VOLTA À PIZZARIA - Capítulo 35 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 11
115663 - DE VOLTA À PIZZARIA - Capítulo 36 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 16
115967 - DE VOLTA À PIZZARIA - Capítulo 37 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 13
116100 - DE VOLTA À PIZZARIA - Capítulo 38 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 12
116280 - DE VOLTA À PIZZARIA - Capítulo 39 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 10

Ficha do conto

Foto Perfil carlao1978
carlao1978

Nome do conto:
DE VOLTA À PIZZARIA - Capítulo 33

Codigo do conto:
115276

Categoria:
Traição/Corno

Data da Publicação:
03/04/2018

Quant.de Votos:
12

Quant.de Fotos:
0


Online porn video at mobile phone


Netinha.contoscontos eróticos professor sendo enrabado e gostandojapacdpassivocontos cd porno climaxcontos eroticos netinhas e avo acampandomeu irmao encheu minha bunda de porraQuadrinhos eróticos a caronachupadora da advogada, todas as tardes lhe chupa o greloconto erotico de vizinhaconcunhadacontoeroticoputas de moz sem camisinhagravidezcompenisbucetas labios gigantes carnuda exageradacontos eroticos de genro fazendo xixi a sogra veconto erótico rádio gay o c* da minha noracontos eróticos com minha irmanzinhacontos eroticos engravidei minha mãeconto erotico mae e filho pausudo no onibusconto herotico eu e meu amigao fazendo dp na minha espisabuceta sussurrantecontos eroticos comendo uma carcereiraorgias anaisgravida do negro dela conto eroticocontos eroticos eu de.comsaia.comno coletivocontos eroticos incestos/irmao roubando calcinha irmaconto gay casado no cinemacontos eroticos viciadacontos erotico mae no carnavalcontos eroticos amo o meu maridoconto erotico minha namorada dançando forro com meu tioconto erotico mama dos priminhosconto erotico de fudendo bucetuda grundandoconto fuder cona peludaporno conto erotico abusdo pelo tio e pelo cavaloconto erotico tia pousada jacuzzi pornocontos heroticos cornos inversão de papéis explícitocontos eroticos maduras infieisconto pau entrou apertado esposaContos beto papakuconto erótico gay meu colega gostoso e picudolanterna samba pornô por tu amorcontos eróticos amigo novinhoporno em imagens em quadrinhos contos eroticos perdi meu cabaso e adocontos eroticos amo o meu maridominha esposa me fez sua escrava e puta conto eroticovascilos da tv que mostra nudeQuadrinhos eroticos mae safadacoroa casada contosconto erotico gay com tio gemeosesfolaram minha xanaconto erótico Hannahminha mulher me contou a traiçao e como foi arrombadacontos eroticos de homem transando com o padrinho militarcontos eroticos de magrinhas que trairamConto porno virgem deflorada por traficante pauzudo da favelaconto erotico viciei da a bunda gay na encolhaXVídeos vovô pênis enorme e grosso e filha observando pela fechadura no quartoconto erotico gay deliciaesposa corno femdom conto eroticoContos eroticos pegando viuvaCónto erotico meu sogro comeu eu eminha sogra e nos bateucontos eroticosconto porno senzalavideos porno contos flagrei morena na rua oferecir ajuda ate casa dela analorgia com mulher chupando o cu do homem trioconto gay urologistaconto travesti com menina virgemxvido mulher gozádo sim parapenetrei minha mãe bêbadacontos eroticos jade casaisarebentei as pregas do cuzinho da minha irma novinha contosContos e fotos maes e filhos pauzudosso cenas de longas gozadas de longe na porta do cuzinhoporno bucetas da minha tiaconto gay irmaos gemendo no pirocao do irmao c fotoxvideis 2017comi a minha tiaquadrinho eroticos ilustradodei a xana contos eroticosconto erotico pedro e nandalanterneiro conto gaycontos comendo a mulher do meu paicontos chupador de xoxotaconto erotico de mae e filho com fotosconto erotico fortão comendo cu no réveillonaproveitando da irmã bêbadaminha cunhada me provocou acabei transando com ela na chácaradeflorando anoiva no motel com varia garotas pornoContos erót depilando o pau com cera em 2017conto gay fistei o filho gay da minha namorada